O Rio Araguaia pede socorro e poderá secar em 40 anos

O Rio Araguaia é um dos rios mais importantes e ricos do País. Goiás é privilegiado por albergar em seu território grande parcela deste manancial

Por araguaianews em fevereiro 6, 2018

O Rio Araguaia pede socorro

 Geografia News

O Rio Araguaia é um dos rios mais importantes e ricos do País. Goiás é privilegiado por albergar em seu território grande parcela deste manancial. Com sua nascente localizada na Serra do Caiapó, em Mineiros, nos altiplanos que dividem os Estados de Goiás e Mato Grosso do Sul, o Rio banha seis Estados e tem 2.115 quilômetros de extensão.

Toda a região da bacia possui uma importância ecológica, turística, socioeconômica e cultural incalculável. Espécies que dependem de grandes áreas nativas para sobreviver, como a onça pintada, têm no Rio Araguaia um importante ambiente para se manter, reproduzir e dispersar.

A bacia hidrográfica representa aproximadamente 25% do território goiano e abriga cerca de 8% da população de todo o estado. Contudo, um dos maiores patrimônios ambientais do Estado tem sido alvo de maior degradação ambiental ao longo dos últimos anos. O processo erosivo de degradação ambiental e de assoreamento é uma das principais preocupações ambientais da bacia atualmente.

Segundo relata o Instituto de Estudos Socioambientais da Universidade Federal de Goiás (UFG), na sua alta bacia concentram-se mais de 300 focos erosivos, sendo um quinto deles de grande porte (de 300 a 4 mil metros do ramo principal, a maioria surgido ainda na década de 1980). Diversos fatores ainda podem colaborar para o desencadeamento de um processo de maior degradação ambiental do Rio, como, por exemplo, o desmatamento indiscriminado de áreas de proteção ambiental (Áreas de Preservação permanente e Reserva Legal), além do uso inadequado do solo e a fragmentação natural da cobertura vegetal.

Somam-se a estes fatores a ausência efetiva de um complexo programa de educação ambiental para os ribeirinhos e a fiscalização ambiental ineficiente realizada pelo Estado. Quem conhece o Rio Araguaia sabe que a diminuição significativa da sua ictiofauna (conjunto das espécies de peixes) é perceptível. A pesca indiscriminada, inclusive em áreas de cardumes, é um grande exemplo de destruição do potencial ecológico do Rio.

Para isso, medidas pontuais de proibição completa da pesca esportiva por um período de cinco anos poderiam reforçar ações ambientais para reverter esse triste cenário ambiental. Apenas a proibição legal de não trazer os pescados do rio na região de Goiás não tem se mostrado medida suficiente para a conservação ecológica do Araguaia.

É preciso aumentar significativamente, por parte do Estado em parceria com a sociedade, os recursos financeiros investidos na recuperação do Rio, aliando medidas de vigilância e monitoramento ambiental. É o caso do uso pontual da tecnologia, com imagens de satélite para localizar os danos, propiciar as medidas compensatórias com a aplicação de penalidades administrativas e de medidas punitivas judiciais. Afinal, nem só de julho vive o Araguaia.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *