728X90

Cerrado tem aumento em focos de queimadas; número é o maior em cinco anos

O Cerrado registra atualmente cerca 35% de todos os focos de calor, dado que pode indicar a existência de queimadas

Por araguaianews em setembro 13, 2021

No comparativo entre os estados, Mato Grosso figura na terceira colocação entre os que mais registraram focos este ano.

cerrado queimadas.jpg

O Cerrado registra atualmente cerca 35% de todos os focos de calor, dado que pode indicar a existência de queimadas, de todo o Brasil. Apenas entre 1º de janeiro e 12 de setembro, o bioma já registrou 37.451 focos, o pior cenário desde 2016, conforme dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Mato Grosso desponta como um dos estados que mais contribuiu para o agravamento da situação.

 

Nos últimos sete anos, 2016 foi o ano em que mais focos foram registrados durante o período de 1º de janeiro a 12 de setembro, totalizando 38.851. Desde então, o número vinha oscilando, sem nunca, entretanto, chegar ao atual. Em comparação ao ano de 2020, 2021 já registra um aumento de 9% nos focos. Em comparação a 2018, melhor ano da série histórica, o aumento é de 47.35%.

 

No comparativo entre os estados, Mato Grosso figura na terceira colocação entre os que mais registraram focos este ano. Apenas em 2021, já foram 5506, o que representa 14,6% dos focos de todo país. Deste modo, o estado fica atrás apenas do Tocantins, com 7334 focos (19,5%); e Maranhão, com 6893 (18,3%). Ainda aparecem na lista das cinco Unidades Federativas com maiores números Minas Gerais (10,5%) e Goiás (8,8%).

 

Em Mato Grosso, os municípios que mais registraram indicativo de foco são Nova Nazaré (411 focos), Campinápolis (391 focos), Paranatinga (351 focos), Barra do Garças (324 focos), Ribeirão da Cascalheira (293 focos), Canarana (276 focos), Tangará da Serra (253 focos), São Félix do Araguaia (232 focos), Novo Santo Antônio (194 focos) e Dom Aquino (178 focos).

 

No estado, os piores dias aconteceram entre 23 e 29 de agosto. Cerca de 21% de todos os focos do ano foram registrados nesta semana. A última semana também gerou preocupação. Entre estes dias, os satélites do Inpe identificaram 391 focos, o equivalente a 7,1% de tudo registrado em 2021.

Fonte: www. pnbonline.com.br

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *