728X90

Colômbia: protestos contra governo provocam 13 mortes em Cali

Por araguaianews em maio 30, 2021

Polícia reportou dez homicídios, mas relaciona apenas três às manifestações de sexta (28). Óbitos serão investigados, diz prefeito

Sexta-feira (28) foi marcada por confrontos entre manifestantes e forças de segurança em Cali

Sexta-feira (28) foi marcada por confrontos entre manifestantes e forças de segurança em Cali

ERNESTO GUZMÁN JR / EFE – 28.05.2021

Autoridades locais e a polícia reportaram 13 mortes na cidade colombiana de Cali, que foi palco de grandes confrontos entre manifestantes e forças de segurança na sexta-feira (28) e vive um dia de calma neste sábado, apesar da tensão ainda estar presente.

“Ainda não podemos detalhar se todas as mortes que tivemos em 28 de maio estão vinculadas e associadas integralmente aos protestos”, explicou o prefeito de Cali, Jorge Iván Ospina, ao relatar que o Ministério Público reportou 13 homicídios na sexta-feira e que é preciso investigar as mortes para dar respostas.

“Ainda não resta dúvida de que um número muito considerável das mortes que tivemos em 28 de maio foram associadas a eventos de mobilização cidadã”, acrescentou.

A polícia, que reportou dez homicídios, relaciona apenas três aos protestos. As demais “estariam relacionadas a ajustes de contas entre estruturas criminosas, intolerância e sicariato”. Ospina também denunciou atos de “vandalismo puro e irracional” contra imóveis privados e públicos.

O diretor de Investigação Criminal e Interpol (DIJIN), general Fernando Murillo, explicou neste sábado que “foi apresentada uma situação especial onde civis utilizaram armas de fogo indiscriminadamente contra outras pessoas”.

Os fatos ocorreram principalmente em Ciudad Jardín, zona residencial da cidade, próxima à estrada que vai a Jamundí, onde houve bloqueios. A região foi invadida por supostos civis armados que dispararam contra jovens encapuzados que estão “na primeira linha”, a parte frontal dos protestos protegidos com escudos mantendo os bloqueios.

“Infelizmente, neste lugar e neste mesmo momento estavam vários funcionários da força pública, os quais omitiram seu dever de evitar que esses fatos ocorressem e capturar essas pessoas”, afirmou Murillo.

Militarização

Cali amanheceu neste sábado (29) com o patrulhamento militar das ruas e uma força policial de 750 soldados, após o presidente Iván Duque, durante uma visita à cidade, ter ordenado uma “maior mobilização” da força militar.

“A partir desta noite começa o destacamento máximo de assistência militar para a Polícia Nacional na cidade de Cali e no departamento de Valle (del Cauca)”, disse Duque.

A calma aparentemente voltou à cidade, que desde o início dos protestos tem sido o local com mais manifestações, bloqueios e brutalidade policial.

Os protestos começaram em 28 de abril, com uma grande paralisação nacional que levou dezenas de milhares de pessoas em todas as cidades do país para as ruas para mostrar rejeição a um projeto – já abandonado – de reforma fiscal.

Mas as mobilizações sociais se espalharam desde então, revelando cada vez mais exigências, que vão desde o fim da brutalidade policial até uma renda mínima e melhores serviços públicos.

Segundo a ONG Temblores e o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento e a Paz (Indepaz), foram registradas 60 mortes nos protestos, 43 delas atribuídas às forças de segurança. O Ministério Público conta apenas 43 mortes, “17 delas com ligação direta aos protestos”.

As autoridades continuam à procura de 123 pessoas dadas como desaparecidas nos protestos, mas organizações como a Coordenação Colômbia Europa Estados Unidos asseguram que 327 ainda não foram encontradas.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *