28.8 C
Alto Araguaia
segunda-feira - 22 abril - 2024
HomeMundoFevereiro foi 9⁠º mês seguido de temperaturas recordes no mundo: por que...

Fevereiro foi 9⁠º mês seguido de temperaturas recordes no mundo: por que isso preocupa

O mês passado foi o fevereiro mais quente no mundo nos tempos modernos, segundo o serviço climático da União Europeia.

Com esse resultado, a série de recordes de temperatura sobe para nove meses consecutivos.

A superfície do mar no mundo está no ponto mais quente de que se tem registro – e o gelo marinho da Antártida atingiu novamente níveis extremamente baixos.

As temperaturas continuam subindo devido ao fenômeno climático El Niño no Pacífico, mas as alterações climáticas causadas pelo homem são, de longe, o principal fator do calor.

“Os gases de efeito de estufa que retêm o calor são inequivocamente os principais culpados”, diz a professora Celeste Saulo, secretária-geral da Organização Meteorológica Mundial.

As concentrações de dióxido de carbono estão no seu nível mais alto em pelo menos dois milhões de anos, de acordo com o órgão climático da ONU, e aumentaram novamente em níveis quase recordes durante o ano passado.

Esses gases que causam aquecimento ajudaram a tornar fevereiro de 2024 cerca de 1,77ºC mais quente do que nos tempos “pré-industriais” (antes de os humanos começarem a queimar grandes quantidades de combustíveis fósseis), segundo o Serviço Copernicus para as Alterações Climáticas, da União Europeia.

O resultado supera o recorde anterior, de 2016, em cerca de 0,12ºC.

Estas temperaturas provocaram um calor particularmente severo que atingiu o oeste da Austrália, o sudeste da Ásia, o sul da África e a América do Sul.

A média de 12 meses está agora 1,56ºC acima dos níveis pré-industriais. Esse marco foi registrado depois da confirmação, em fevereiro, de que, pela primeira vez, o aumento da temperatura global ultrapassou 1,5 ºC ao longo de um ano inteiro.

Em 2015, em Paris, quase 200 países concordaram em tentar manter o aumento do aquecimento abaixo de 1,5ºC, para ajudar a evitar alguns dos piores impactos climáticos.

Esse limite no Acordo de Paris é geralmente considerado como uma média de 20 anos – por isso, ainda não foi quebrado –, mas a incessante série de recordes de temperatura ilustra o quão perto o mundo está desse patamar.

Oceanos e gelo marinho sob pressão

Os recordes recentes não se limitaram às temperaturas do ar. Diversas métricas climáticas estão muito além dos níveis observados nos tempos modernos.

Uma das mais notáveis ​​são as temperaturas da superfície do mar. Como mostra o gráfico abaixo, a margem dos recordes nos últimos meses tem sido particularmente marcante.

Infográfico mostra elevação das temepratuas oceânicas
Legenda da foto,Em 28 de fevereiro, temperatura média já chegou a 21,09ºC

Os pesquisadores fazem questão de destacar que a escala e a extensão do calor oceânico não são simplesmente uma consequência do evento climático natural conhecido como El Niño, que foi declarado em junho de 2023.

“As temperaturas da superfície do oceano no Pacífico equatorial refletem claramente o El Niño. Mas as temperaturas da superfície do mar em outras partes do globo têm sido persistente e incomumente elevadas nos últimos 10 meses”, explica Saulo.

“Isso é preocupante e não pode ser explicado apenas pelo El Niño”.

Cientistas estão trabalhando para explicar exatamente o que está acontecendo.

Até 2017, o gelo marinho da Antártida desafiava as previsões de que iria encolher, ao contrário do Ártico, onde a tendência descendente tem sido muito mais clara.

A aparente mudança recente, que ocorre ao mesmo tempo que outros recordes são quebrados em todo o planeta, aumenta as preocupações de que o gelo marinho da Antártida possa finalmente estar acordando para as alterações climáticas.

“Não acho que se possa dizer que seja coincidência”, disse o professor Martin Siegert, glaciologista da Universidade de Exeter (Reino Unido) à BBC News. “É absolutamente assustador. Os registros estão fora de escala.”

Fim do El Niño à vista

Há sinais de que a série de recordes de temperatura global poderá finalmente chegar ao fim nos próximos meses.

O El Niño de 2023-24 foi um dos cinco eventos mais fortes já registrados, segundo a Organização Meteorológica Mundial. No entanto, ele está gradualmente enfraquecendo.

O El Niño continuará afetando as temperaturas e os padrões climáticos nos próximos meses.

“A expectativa é que [o El Niño] continue mantendo as temperaturas de 2024 elevadas pelo menos durante a primeira metade do ano”, disse Colin Morice, cientista do Met Office Hadley Centre do Reino Unido, à BBC News.

No entanto, uma mudança para condições neutras no Pacífico é provável entre abril e junho, de acordo com o órgão científico norte-americano NOAA, e uma nova mudança para a fase fria conhecida como La Niña poderá então acontecer entre junho e agosto.

Isso provavelmente colocaria um limite temporário nas temperaturas globais do ar, com uma superfície do mar mais fria no Pacífico Oriental, permitindo que menos calor escapasse e aquecesse o ar.

Mas enquanto as atividades humanas continuarem emitindo enormes quantidades de gases com efeito de estufa, as temperaturas continuarão subindo a longo prazo, levando, em última análise, a mais recordes e a condições meteorológicas extremas.

“Sabemos o que fazer – parar de queimar combustíveis fósseis e substituí-los por fontes de energia mais sustentáveis ​​e renováveis”, diz Friederike Otto, professora sênior de Ciências Climáticas no Imperial College London.

“Até que façamos isso, os eventos climáticos extremos intensificados pelas alterações climáticas continuarão destruindo vidas e meios de subsistência.”

Quais são os efeitos das alterações climáticas até agora e como podem afetar o mundo no futuro?

Os efeitos do aumento da temperatura no meio ambiente já sentidos até aqui incluem:

  • Condições climáticas extremas mais frequentes e intensas, como ondas de calor e chuvas fortes
  • Rápido derretimento de geleiras e mantos de gelo, contribuindo para o aumento do nível do mar
  • Enormes declínios no gelo marinho do Ártico
  • Aquecimento do oceano
  • A vida das pessoas também está mudando: por exemplo, partes da África Oriental sofreram a pior seca dos últimos 40 anos, colocando mais de 20 milhões de pessoas em risco de fome grave. Em 2022, as ondas de calor europeias levaram a um aumento anormal do número de mortes.

E como as futuras mudanças climáticas afetarão o mundo?

Quanto mais as temperaturas aumentam, piores se tornam os impactos das alterações climáticas.

Por isso, limitar os aumentos de temperatura a longo prazo a 1,5ºC é crucial, de acordo com o órgão climático da ONU, o IPCC.

  • Os dias extremamente quentes seriam, em média, 4ºC mais quentes nas latitudes médias (regiões fora dos pólos e trópicos), contra 3ºC em caso de 1,5ºC.
  • A subida do nível do mar seria 0,1 m superior à de 1,5°C, expondo até mais 10 milhões de pessoas.
  • Mais de 99% dos recifes de coral seriam perdidos, em comparação com 70-90% a 1,5ºC.
  • O Oceano Ártico ficaria livre de gelo marinho no verão pelo menos uma vez a cada 10 anos, contra uma vez a cada 100 anos a 1,5°C.
  • O dobro do número de plantas e vertebrados (animais com coluna vertebral) ficaria exposto a condições climáticas inadequadas em mais de metade da sua área de distribuição.
  • Várias centenas de milhões de pessoas poderão estar mais expostas a riscos relacionados com o clima e suscetíveis à pobreza até 2050, quando comparado a 1,5ºC. Fonte: bbc.com
OUTRAS NOTÍCIAS