23 C
Alto Araguaia
sexta-feira - 12 abril - 2024
HomePolíticaJúlio vê dificuldade para abertura de CPI na Saúde e diz que...

Júlio vê dificuldade para abertura de CPI na Saúde e diz que governo não deve temer investigação

Deputado acredita que requerimento para criação de CPI não terá assinaturas suficientes

O deputado Júlio Campos (União) afirmou que o requerimento para abertura de CPI na Saúde pode não ter assinaturas suficientes na Assembleia Legislativa. Júlio, que é presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) informou que das oito assinaturas necessárias, o requerimento tem apoio de apenas seis parlamentares. “Nesse instante, não sei se o deputado Wilson Santos e a Comissão de Saúde conseguirão esse número legal”, disse à imprensa, nesta terça-feira (29).

Júlio, que apesar de não ter revelado se iria assinar o requerimento, afirmou ainda que não enxerga motivos para o Governo ser contra a abertura da CPI. A não ser, se houvesse realmente irregularidades dentro da Secretaria Estadual de Saúde (SES), conforme apurou a Delegacia Especializada no Combate à Corrupção (Deccor), responsável pela Operação Espelho, que apura fraudes em contratos da Pasta. ]

“Quem não tem culpa não tem medo. Se a Secretaria de Saúde está tudo em ordem, não há motivo para a Assembleia não aprofundar nessas gravíssimas denúncias que surgiram, não por parte de nenhum parlamentar, nem por parte de nenhum veículo da imprensa, mas por parte da Deccor, que abriu o inquérito e divulgou que há coisas estranhas e erradas na Secretária de Saúde. Então, se não há, por que temer a CPI? Não vejo nenhuma dificuldade. Eu tenho confiança que o governo está certo, está dentro da lei da ordem”, afirmou.

Ele ainda rebateu o secretário da Casa Civil, Fábio Garcia (União), que havia dito que não via motivos para que a Assembleia investigasse essa questão, já está sendo investigada pela Polícia Civil. “Cada um pensa da sua maneira. Mas se a Assembleia quer aprofundar, não há por que temer a Assembleia. A Secretaria de Saúde está sendo analisada pela Deccor e eu acredito que o próprio Tribunal de Contas e Ministério Público devem estar acompanhando essas notícias”, destacou.

OUTRAS NOTÍCIAS