30.2 C
Alto Araguaia
segunda-feira - 20 maio - 2024
HomePolíticaLiberação para exploração de minério em área de reserva legal gera debate...

Liberação para exploração de minério em área de reserva legal gera debate na AL

Apesar da discussão, os deputados estaduais aprovaram, por maioria, o requerimento para dispensa de pauta da matéria.
Wilson Santos propina servidores SES
Deputado estadual Wilson Santos

O debate foi levantado pelo deputado estadual Wilson Santos (PSD), que votou contra o requerimento. Segundo o parlamentar, a mensagem chegou na Assembleia às 11 horas, quando a sessão já estava acontecendo. “Ela autoriza a Secretaria Estadual de Meio Ambiente a realocar áreas para favorecer atividade mineradora. Em APPs essas áreas poderão passar a ter atividade mineradora. Este projeto autoriza a Sema a fazer esse realocamento”

Para Wilson a matéria já foi discutida na Assembleia Legislativa. “Isto foi judicializado. E se eu não estiver equivocado a lei originada aqui ela está suspensa por decisão judicial. E agora o governo volta a insistir nesta temática. É algo muito sério, muito grave”, ponderou o deputado.

O deputado estadual Carlos Avallone (PSDB) fez a defesa do projeto. Segundo o tucano, o tema foi debatido com o Poder Judiciário e o Ministério Público e a alteração na Lei, enviada pelo Governo do Estado, seria uma alternativa para as empresas exploradoras de calcário solicitarem a realocação da área de reserva legal para o mesmo bioma, com acréscimo, para manutenção da atividade.

Leia Também:  Comissões da Câmara vão debater combate à gordofobia

“Se tivesse alguma coisa contra o meio ambiente, se tivesse alguma coisa contra o Pantanal eu seria o primeiro a ser contra. Esse é um projeto que já foi aprovado nesta Casa. Foi discutido na Casa de Leis e foi sancionado. Foi questionado pelo MP, foi levado para o Tribunal de Justiça. Foi suspensa a lei e foi marcada audiência pública para que o TJ entendesse do assunto”, explicou Avallone.

Deputado estadual Carlos Avallone

De acordo com o deputado, a mesma lei já foi aprovada e é praticada nos estados de Goiás, Rondônia e Minas Gerais há pelo menos dez anos. “Estamos desde aquela época negociando Sema, Ministério Público, que foi o autor, para que a pudesse chegar a um denominador comum. Chegamos ao denominador comum. Entendeu-se melhor ser reapresentado pelo Governo. Ninguém vai entrar no Pantanal, ninguém vai mudar o Pantanal, não tem nada disso”.

O requerimento para dispensa de pauta foi aprovado com cinco votos contrários. A mensagem do Executivo foi encaminhada para as comissões da Assembleia. O presidente, deputado Eduardo Botelho (União), fez um alerta aos colegas. “Recomendo que analise bem, essa amplitude do jeito que está aí acabou com a reserva. Pode pegar toda a área e depois fazer a compensação em outro local. Recomendo que as comissões analisem bem”.

Projeto de Lei Complementar

Conforme a mensagem encaminhada pelo Executivo, o PLC altera a Lei Complementar 38/1995 e prevê no artigo 94 que a Sema poderá autorizar a realocação da reserva legal dentro do imóvel rural, para extração de sustância minerais, quando inexistir alternativa locacional para atividade minerária.

Leia Também:  Primeira-dama e governador levam ajuda humanitária à aldeia atingida por incêndio

De acordo com o texto lido em plenário, no primeiro parágrafo consta que: caso não exista dentro do imóvel rural vegetação nativa ou regenerada a realocação poderá ser autorizada pela Sema em outro local, dentro do mesmo bioma, mediante:

1 – Implantação de reserva particular do patrimônio natural RPPN, em área privada que seria passível de supressão de vegetação nativa;

2 – Doação ao estado de Mato Grosso de área preservada que faça limite com área de conservação estadual do grupo de proteção integral;

3 – Instituição de servidão ambiental de caráter perpétuo em área privada que seria passível de supressão de vegetação nativa;

Já no segundo parágrafo está previsto que somente será autorizada a realocação de reserva legal na forma do parágrafo primeiro se a área proposta cumprir os seguintes requisitos:

1  – Ter dimensão igual ou superior a 10% da área de reserva legal a ser realocada;

2 – Possuir vegetação nativa preservada ou regenerada contendo a mesma tipologia vegetal da área a ser realocada e prioritariamente na área de influência do empreendimento;

3 – Estar localizada no território de Mato Grosso;

4 – Observar o disposto no Artigo 14 do Código Florestal;

Fonte: pnbonline.com.br

OUTRAS NOTÍCIAS