728X90

Município monitora homem com suspeita de varíola dos macacos, terceiro caso em MT

A varíola dos macacos é transmitida quando alguém tem contato próximo com as lesões de pele, as secreções respiratórias ou os objetos usados por uma pessoa que está infectada

Por araguaianews em agosto 3, 2022
 

Mato Grosso já monitora três casos suspeito de Monkeypox (Varíola dos Macacos). Nesta terça-feira (2), a Secretaria Municipal de Saúde de Rondonópolis informou que há um caso suspeito da doença sendo investigado no município. O registro de monitoramento foi iniciado hoje. O suspeito é um homem de 45 anos.

A equipe da Saúde já coletou amostras para exames que foram encaminhadas ao Laboratório Central do Estado (Lacen) e também para um laboratório particular. A previsão é de que o resultado saia em até 7 dias.

O paciente apresenta lesões características da doença, mas até o momento sem nenhuma complexidade. Ele já está em isolamento e permanecerá até o desaparecimento completo das lesões (cerca de 2 a 3 semanas, ou até 21 dias). O homem que está com suspeita da doença, voltou de uma viagem há poucos dias do Rio de Janeiro.

Na última quinta-feira (28), a Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá informou que monitorava dois casos suspeitos envolvendo dois homens de 29 e 34 anos. Os resultados dos exames ainda não ficaram prontos.

ATENÇÃO AOS SINTOMAS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) explica que o período de incubação (o tempo entre o vírus invadir as células e o aparecimento dos primeiros sintomas) costuma variar de 6 a 13 dias, mas pode chegar até a 21 dias. A partir do início dos sintomas, a infecção pode ser dividida em dois momento, sendo eles:

Dor de cabeça forte;
Inchaço nos linfonodos (conhecido popularmente como “íngua”);
Dor nas costas;
Dores musculares;
Falta de energia intensa.

Terminado o período de invasão, começa a segunda etapa, que é marcada por feridas na pele. Geralmente, essas marcas cutâneas surgem depois de 1 a 3 dias do início da febre.

TRANSMISSÃO

A varíola dos macacos é transmitida quando alguém tem contato próximo com as lesões de pele, as secreções respiratórias ou os objetos usados por uma pessoa que está infectada. O vírus ainda pode ser passado de mãe para filho durante a gestação, através da placenta.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *