25.7 C
Alto Araguaia
segunda-feira - 22 abril - 2024
HomeMundoO deslocamento violento de palestinos na Cisjordânia que coloca os EUA contra...

O deslocamento violento de palestinos na Cisjordânia que coloca os EUA contra Israel

O agricultor palestino Fares Samamreh diz que ele e a família abandonaram sua fazenda após serem atacados por colonos israelenses.

Embora Fares Samamreh não tenha uma arma, ele tem uma superpotência global que o defende. E ainda assim, ele está perdendo a batalha.

Este pastor de ovelhas palestino das colinas do sul de Hebron, na Cisjordânia ocupada, está enfrentando seu vizinho, um colono israelense chamado Yinon Levy.

A disputa levou à intervenção do governo dos Estados Unidos, que nas últimas semanas sancionou vários colonos israelenses, incluindo Yinon.

“Yinon Levy veio aqui há três anos e começou a me incomodar”, disse Fares, com a cabeça enrolada em um pano de algodão branco e os olhos quase fechados para se proteger do sol.

“Antes da guerra (em Gaza) isso era normal, eles vinham com drones. Mas, poucos dias depois de 7 de outubro (de 2023), a situação ficou mais grave. Todos ganharam armas. Começaram a vir aqui dia e noite. Tenho meus filhos pequenos, de 4 e 5 anos de idade”.

 

Matérias recomendadas

Fares diz que Yinon fazia parte de um grupo de colonos israelenses locais que perseguiam rotineiramente as suas ovelhas com cães e armas e até, acrescenta, agrediam a família dele.

Estrela de David rabiscada
Uma estrela de David rabiscada em tinta azul num poste em Zanuta

“Eles destruíram tanques de água, fecharam estradas, atiraram em ovelhas”, diz ele. “Ele disse à minha esposa que se não saíssemos daqui, eles matariam todos nós.”

Fares diz que quando a esposa dele insultou o invasor, Yinon Levy deu uma coronhada nela.

Pouco depois, Fares e a família dele deixaram a aldeia de Zanuta. Grupos de ativistas dizem que esta é uma das quatro comunidades ao redor da quinta dos colonos israelenses que foram abandonadas pelos seus moradores palestinos.

Yinon nega ter agido de forma violenta contra os palestinos na região e diz que não possuía uma arma até muito recentemente.

Mas está sujeito a sanções tanto dos Estados Unidos como do Reino Unido.

O caminho para a fazenda de Yinon parece algo saído de um livro infantil ilustrado. Um trajeto estreito que serpenteia por uma colina íngreme, com encostas e vales caindo no horizonte de ambos os lados.

No topo de uma colina, uma espaçosa cabana fica ao lado de um grande galpão, cheio de ovelhas que balem e abafam os acordes da música pop no rádio.

Yinon Levy
,Yinon Levy nega a acusação de que “usou agressão física, ameaçou famílias sob a mira de uma arma e destruiu propriedades”

“Estamos salvaguardando estas terras para garantir que continuem sendo propriedade judaica”, diz Yinon. “Quando há presença judaica, não há presença árabe. Monitoramos o terreno e garantimos que nenhuma construção não autorizada ocorra.”

A maioria dos países considera os colonatos, que são construídos em terras capturadas por Israel na Guerra dos Seis Dias de 1967, como ilegais ao abrigo do direito internacional, embora os israelenses discordem. Os postos avançados de assentamentos de colonos também são ilegais sob a lei israelense.

O Reino Unido disse que Yinon e outro homem “recorreram à agressão física, ameaçaram famílias sob a mira de armas e destruíram propriedades como parte de um esforço calculado e direcionado para deslocar as comunidades palestinas”.

Yinon negou as acusações e disse que o governo israelense estava do seu lado.

“Não estou preocupado”, disse ele à BBC. “Isto não é contra mim pessoalmente, é contra aqueles que obstruem a criação de um Estado palestino. Não há nenhum processo legal contra mim (em Israel). Aqui está tudo bem.”

Tanto o Reino Unido como os EUA afirmam estar recolhendo provas contra Yinon, embora tenham recusado compartilhar o que têm com a BBC.

Enviamos a Yinon um vídeo que parecia mostrá-lo em terras palestinas, abordando um grupo de ativistas, com um cachorro rosnando. Ele disse que as imagens eram enganosas e que estava defendendo seu rebanho.

Enviamos a ele outro vídeo que aparentemente o mostra entrando em outra aldeia palestina armado em outubro de 2023. Ele se recusou a comentar.

As sanções contra os colonos foram adotadas após um aumento da violência na Cisjordânia, na sequência dos ataques do Hamas em 7 de outubro e do início da guerra de Israel em Gaza.

A ONU afirma que a violência dos colonos israelenses inclui ataques físicos e ameaças de morte. E que o número de palestinos deslocados das suas casas em 2023 duplicou para 1.539, com mais de 80% deles deixando seus lares após o 7 de outubro.

O Reino Unido disse que Israel não está agindo para impedir as expulsões e fala de “um ambiente de impunidade quase total para os colonos extremistas na Cisjordânia”.

Yinon diz que recebeu apoio de políticos israelenses.

“Muitos nos ligaram e nos encorajaram”, disse ele. “Todo mundo disse que quando pessoas más estão contra você, você deve estar fazendo algo certo.”

Um dos políticos que apoiaram publicamente Yinon após as sanções foi Zvi Sukkot, do partido ultranacionalista Religioso Sionista, que também é colono.

Zvi Sukkot
Zvi Sukkot, um político e colono israelense, desafia os Estados Unidos e o Reino Unido a apresentarem as suas provas

Sukkot diz que a violência dos colonos é um “fenômeno marginal” e que pessoas como Levy são vítimas de conspirações.

“Quando temos um sistema judicial que funciona em Israel, não queremos que nossos aliados digam: ‘Faremos o trabalho para você'”, diz ele.

“Se houvesse provas contra Yinon Levy, ele estaria numa prisão israelense. Quem é o Reino Unido para vir e dizer ‘somos mais espertos que a inteligência israelense’?”

O comandante da polícia israelense responsável pela investigação de queixas na Cisjordânia disse esta semana à comissão parlamentar de Sukkot que metade das queixas apresentadas sobre a violência dos colonos eram falsas e vinham de “organizações radicais de esquerda em Tel Aviv”.

Neste contexto, as sanções impostas a um punhado de colonos não alteraram as políticas israelenses na Cisjordânia, mas estão tendo um impacto financeiro.

A conta bancária israelense de Yinon foi congelada no mês passado.

Alguns dos que estão atualmente sob sanções dos EUA e do Reino Unido usaram o crowdfunding (financiamento coletivo) para financiar projetos nas suas áreas, incluindo a construção de uma sinagoga e um centro educacional num outro posto avançado de colonos, no topo de uma colina chamada Moshe Farm.

Seu proprietário, Moshe Sharvit, foi sancionado junto com Yinon Levy em fevereiro de 2024.

Mas na quinta-feira (14/3) os Estados Unidos ampliaram as sanções para cobrir vários novos alvos, incluindo a própria exploração agrícola, colocando em risco esse tipo de financiamento.

 Zanuta
Casas destruídas na aldeia palestina de Zanuta

Estas sanções podem ser mais simbólicas do que substanciais, mas indicam o descontentamento americano, particularmente entre setores da base do Partido Democrata, que ficaram consternados com as imagens da guerra em Gaza, em ano eleitoral.

O presidente do Conselho local de Yesha (colonos), Shlomo Ne’eman, chamou a situação de “fenômeno repugnante” e disse que a Cisjordânia estava sendo usada como bode expiatório.

“Penso que, mais do que tudo, o que está impulsionando a resposta do Reino Unido e dos EUA é o medo de que um ataque de colonos fique ‘fora de controle'”, disse Yehuda Shaul, fundador do Ofek Centre, um grupo de especialistas que faz campanha para acabar com a ocupação de Israel.

“A Cisjordânia entraria em erupção como um vulcão. E teríamos outra frente, como se Gaza não bastasse, e assim o caminho para a guerra regional seria quase imparável.”

Da fazenda de Yinon, no topo da colina, você pode ver claramente as ruínas de Zanuta na colina seguinte, junto com a casa que Fares Samamreh deixou meses atrás.

Fazenda do colono israelense Yinon Levy
A fazenda do colono israelense Yinon Levy fica no topo de uma colina no sul da Cisjordânia ocupada

Muitas das casas estão destruídas: os donos levaram os telhados e os móveis para o exílio. Os colonos derrubaram muros para impedi-los de retornar, dizem os ativistas.

A cidade deserta está sendo invadida aos poucos por malvas-rosa selvagens.
Em um poste perto da entrada, uma grande estrela de David está rabiscada em tinta azul.
Os colonos daqui falam sobre os ataques palestinos e dizem que estão assustados.
Mas são os palestinos que estão fugindo.
Fonte: bbc.com
OUTRAS NOTÍCIAS