27.5 C
Alto Araguaia
sexta-feira - 19 julho - 2024
HomeMundoPor que Israel está determinado a concluir ação militar apesar de mortes...

Por que Israel está determinado a concluir ação militar apesar de mortes em Gaza

Ministério da Saúde de Gaza, administrado pelo Hamas, afirma que 18.600 pessoas foram mortas e 50.000 feridas no território palestino desde início da guerra.

Israel está em feriado. As escolas estão fechadas e, longe das zonas da linha da frente, os centros comerciais estão cheios. As confeitarias estão repletas de sufganiyot (espécie de sonho) que os judeus gostam de comer durante o Hanukkah, o atual festival religioso.

É diferente quanto mais perto você chega do confronto armado. Ao longo da fronteira de Gaza, a área conhecida pelos israelenses como o “envelope”, tanques e tropas movimentam-se, a maioria dos civis está em outros lugares e parece uma zona de guerra.

No norte, ao longo da fronteira com o Líbano, as comunidades também foram evacuadas e os militares continuam a trocar fogo com o aliado mais forte do Irã, o Hezbollah.

Mas os visitantes ocasionais poderão acreditar que a vida, de alguma forma, regressou ao “normal” no centro de Israel, a ampla faixa de terra entre Jerusalém e Tel Aviv.

As sirenes de ataque aéreo soaram e o aplicativo de alerta vermelho que os israelenses têm em seus telefones enviou avisos enquanto os carros desviavam para o acostamento para que as pessoas lá dentro pudessem parar para se proteger. Outros motoristas aceleraram para sair da área. Na confusão, três carros colidiram.

Paramos quando um grupo de mulheres saiu do carro e se abraçaram com força e terror.

No alto, rastros de vapor do sistema antimísseis Iron Dome arqueavam-se em direção aos foguetes vindos de Gaza, estrondosas explosões ecoavam no céu azul profundo enquanto derrubavam a maioria dos projéteis. Um homem ficou ferido, em Holon, próximo à rodovia.

Hamas e o trauma profundo dos israelenses

Amos Yadlin
Amos Yadlin em 2007

O fato de o Hamas ainda poder atacar Israel é mais uma prova de que não foi derrotado. A resposta dos motoristas mostra a profundidade do trauma que o Hamas infligiu a Israel, o que é sem dúvida uma boa notícia para os líderes do grupo palestino. Israel acredita que eles estão em algum lugar sob Gaza, em alguma parte do sistema de túneis.

“Em primeiro lugar, esqueçam tudo o que pensavam que sabiam sobre Israel antes de 7 de outubro. Tudo mudou”, diz Amos Yadlin, um major-general reformado, enquanto nos preparávamos para uma entrevista no seu escritório em Tel Aviv, com vista para o Ministério da Defesa de Israel. Yadlin era um piloto de caça veterano que se aposentou como chefe da inteligência militar israelense.

Decidimos entrevistá-lo para ter uma ideia da estratégia de guerra de Israel. No fim das contas, a partir de suas declarações, foi possível compreender melhor o real estado de espírito em Israel.

Yadlin comparou repetidamente a luta de Israel contra o Hamas à 2ª Guerra Mundial. Ele defendeu o enorme número de mortes de civis palestinos cometidos por Israel na Faixa de Gaza e afirmou que a eliminação do Hamas era vital para o futuro de Israel.

Numa referência à destruição de Dresden, na Alemanha, pela Forças Reais Aéreas do Reino Unido em 1945, Yadlin disse: “Vocês bombardearam Dresden com 120 mil pessoas, mataram mulheres, crianças. Estamos tentando evitar estes danos colaterais. Pedimos-lhes que saiam. Pedimos para irem para a parte sul de Gaza.”

Lembrei-lhe que Israel também estava bombardeando as áreas onde haviam dito que os palestinianos estariam seguros. Yadlin insistiu que Israel estava bombardeando o Hamas, e não os civis.

“Não, nós não os bombardeamos. Bombardeamos os alvos do Hamas. Apenas os alvos do Hamas e o Hamas os utiliza como escudo humano.”

Ele rebateu as críticas da administração Biden nos EUA de que Israel estava matando muitos civis palestinos.

Segundo Yadlin, Israel foi mais cuidadoso em evitar vítimas civis do que os EUA e o Reino Unido quando bombardearam grupos jihadistas na Síria e no Iraque.

A sua interpretação não é compartilhada por antigos generais envolvidos nas guerras do Iraque e do Afeganistão.

Um alto oficial britânico me disse que estava consternado com o desdém de Israel pelas leis da guerra que determinam a proteção dos civis. Segundo ele, isso não seria permitido no Exército britânico.

Amos Yadlin, que ainda aconselha os seus sucessores nas Forças Armadas de Israel, acredita que seu país precisa de mais tempo para alcançar os seus objetivos ambiciosos em Gaza.

Israel quer resgatar os seus reféns, matar os líderes do Hamas, aniquilá-lo como uma formação militar que pode ameaçar os israelenses e destruir a sua capacidade de governar.

Salientei que, embora os Estados Unidos tivessem vetado a última resolução de cessar-fogo, isso sinalizava que Israel tinha semanas e não meses para terminar o que queria fazer.

“Não é suficiente para atingir o objetivo”, diz Yadlin. “Se houver um cessar-fogo sem a devolução do restante dos reféns, não haverá cessar-fogo.”

Israel tem um Exército imensamente poderoso e o apoio dos EUA. Mas está descobrindo que, apesar de toda a sua profunda convicção de que não tem outra escolha senão destruir Gaza para erradicar o Hamas, tanto seus aliados quanto seus críticos estão consternados pela forma como matou mais de 18 mil palestinos, dos quais talvez metade eram crianças.

Israel também descobriu, como alertaram os americanos e outros, que combater um inimigo determinado e preparado numa área urbanizada é uma das tarefas militares mais difíceis.

No entanto, como diz Amos Yadlin, os israelenses parecem determinados a superar as críticas para alcançar os seus objetivos. Depois disso vem a questão espinhosa da governança e da reconstrução de Gaza.

Yadlin diz que não haverá uma ocupação israelense prolongada de Gaza, mas se a determinação da atual liderança em controlar a faixa num futuro próximo não mudar, a ocupação parece certa.

Fonte: bbc.com

OUTRAS NOTÍCIAS