30.2 C
Alto Araguaia
segunda-feira - 20 maio - 2024
HomeMato GrossoRecorde de abates de bovinos faz frigoríficos de Mato Grosso trabalharem com...

Recorde de abates de bovinos faz frigoríficos de Mato Grosso trabalharem com 68% da capacidade

Ociosidade dos frigoríficos caiu para os menores índices da série histórica, conforme o Imea

A oferta de gado em Mato Grosso resultou no maior volume de bovinos abatidos para um mês de setembro, com 533,23 mil cabeças indo para o gancho. Com isso, a capacidade frigorífica aumentou e operou em 68% da capacidade em setembro, reduzindo a ociosidade segundo maior “número” da série histórica do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

O grande volume de abates em 2023 tem ocorrido sem um aumento significativo no número de frigoríficos ou na capacidade existente, o que justifica o elevado patamar na utilização das indústrias.

“A oferta de gado terminado tende a ser reduzida em outubro, com a menor oferta de fêmeas típica do segundo semestre, o que pode sustentar os preços. Ademais, a situação nos meses seguintes dependerá das decisões dos pecuaristas em resposta às mudanças nos preços no mercado futuro e nas margens de confinamento”, ponderou o Imea em boletim.

Custo operacional menor aos pecuaristas

Segundo o Projeto Rentabilidade (Senar-MT), no 3º trimestre de 2023, o Custo Operacional Efetivo (COE) para o sistema de recria e engorda foi R$ 179,14 a arroba, uma redução de 15,35% quando comparado com o resultado do 2º trimestre deste ano. Isso ocorreu devido ao menor custo com aquisição de animais.

Para se ter ideia, a despesa com aquisição de animais, que representa 56,76% do COE, saiu de R$ 125,16 a arroba vendida para R$ 101,68, queda de 18,76% para o comparativo. Esse movimento foi justificado pela intensa oferta dos animais de reposição, ainda vista em Mato Grosso.

Mas apesar da sinalização de valorização dos animais de reposição em setembro, o Imea destaca que o movimento é sazonal, e as cotações dessas categorias tendem a se manter, sem grandes ajustes pelos próximos meses, visto que o ciclo pecuário passa por um momento entre as fases de alta e de baixa.

OUTRAS NOTÍCIAS