28.6 C
Alto Araguaia
segunda-feira - 20 maio - 2024
HomeSem categoriaRobô indiano já está no solo e começa a explorar o polo...

Robô indiano já está no solo e começa a explorar o polo sul da Lua

Máquina indiana, que tem seis rodas e funciona com energia solar, transmitirá imagens e dados científicos

O robô Pragyan — “sabedoria” em sânscrito — saiu do módulo de pouso horas depois de a Índia ter concretizado um marco em seu ambicioso programa espacial de baixo custo, provocando grande euforia em todo o país.

O robô móvel “desceu do módulo de pouso, e a Índia caminhou sobre a Lua”, afirmou a Organização Indiana de Pesquisa Especial (Isro) na plataforma X (antigo Twitter).

Na véspera, o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, descreveu o sucesso da missão como um “dia histórico”.

O robô, que tem seis rodas e funciona com energia solar, percorrerá essa região pouco mapeada do satélite e transmitirá imagens e dados científicos durante as duas semanas de missão.

O pouso na Lua da terceira missão Chandrayaan, que significa “nave lunar” em sânscrito, ocorreu nesta quarta-feira (23) às 12h34 GMT (9h34 de Brasília), poucos dias depois de uma sonda russa ter caído na mesma região.

Até esta semana, apenas União Soviética, Estados Unidos e China haviam conseguido levar missões à superfície da Lua.

A missão Chandrayaan-3 inclui um módulo de pouso chamado Vikram — que significa “valor” em sânscrito — e o robô móvel Pragyan.

Lançada há seis semanas, a Chandrayaan-3 demorou muito mais para chegar à Lua do que as missões Apollo, dos EUA, nas décadas de 1960 e 1970, que alcançaram a Lua em poucos dias.

“MUITO ORGULHOSO”

A Índia utiliza foguetes menos potentes do que os usados pelos Estados Unidos na época, por isso a sonda precisou orbitar a Terra várias vezes para ganhar velocidade antes de seguir para a Lua.

O país tem um programa aeroespacial de baixo custo em comparação com outras potências, mas ele cresceu notavelmente desde que a Índia enviou sua primeira nave espacial para orbitar a Lua, em 2008.

O orçamento para esta missão é de US$ 74,6 milhões de dólares (R$ 365 milhões na cotação atual), prova da engenharia espacial mais barata da Índia.

Os especialistas dizem que os custos baixos são obtidos por meio de cópia e adaptação da tecnologia espacial existente e do aproveitamento da abundância de engenheiros altamente qualificados que cobram muito menos do que os profissionais estrangeiros.

Chandrayaan-3 chamou a atenção do público desde o seu lançamento diante de milhares de telespectadores.

Políticos celebraram rituais hindus para desejar o sucesso da missão, e estudantes acompanharam os momentos finais do pouso na Lua em salas de aula por meio de transmissões ao vivo.

“Estou muito orgulhoso. A Índia fez o seu nome brilhar”, disse à AFP Bhagwan Singh, um comerciante da capital do país, Nova Délhi. “É um momento muito feliz para nós”, acrescentou.

O primeiro-ministro Narendra Modi disse na quarta-feira que o sucesso da missão “pertence a toda a humanidade”.

População comemora pouso de nave da Índia no polo sul da Lua: ‘Momento inesquecível’

OUTRAS NOTÍCIAS